O COMEÇO DO HOMEM: A GENEALOGIA COMO FATOR BÁSICO NA FORMAÇÃO DA PÁTRIA, Texto inicial: Maio 2002 


ANIBAL DE ALMEIDA FERNANDES, atualizaçao: Julho 2016.


INÍCIO DA HISTÓRIA HUMANA: O HOMEM começa a ser HOMEM quando passa a enterrar os seus mortos. Este é o marco divisório entre os hominídeos (hominídeos, como é conhecido o grupo ao qual pertence o homem e seus parentes fósseis que saíram da África rumo à Eurásia) e o primeiro homem e ocorreu há cerca de 40.000 anos atrás, antes mesmo da prática da agricultura, que só aparece cerca de 12.000 aC., após a ultima era glacial, tanto com o Homo sapiens (2.000 calorias/dia) que continuou até hoje como o homem moderno do séc. XXI, tanto com o Homo neandertal (5.000 calorias/dia) que se extinguiu há 30.000 anos. Essas 2 espécies se separam há 500.000 anos atrás. O homem moderno surgiu na África e se disseminou pelo resto do planeta. Os cientistas compararam o genoma neandertal com o de cinco humanos modernos procedentes da África Meridional e Ocidental, assim como de França, China e Papua Nova Guiné. Também foi comparado com o genoma do chimpanzé, cujo DNA é 98,8% idêntico ao humano. Na comparação, o neandertal mostrou-se geneticamente idêntico ao humano moderno em 99,7%, e ao chimpanzé em 98,8%. O antepassado comum do chimpanzé com o humano moderno e seu primo neandertal remonta a 5 ou 6 milhões de anos atrás.


Há 13 anos eu fiz o texto acima, que está publicado na pagina de História de meu site, www.genealogiahistoria.com.br, com o que havia de mais atual nas considerações sobre o inicio da humanidade, porém agora, com as formidáveis informações publicadas no National Geographic Magazine de January, 2015, há que se reformular o conceito da faísca milagrosa que transformou o Homo sapiens e retroagir para muito alem de 40.000 anos atrás.


 


Agora o conceito para o início do homem é a criatividade que fez nascer há 100.000 anos na África/Oriente Médio, algumas peças e acompanhou os viajantes que saíram da África há 60.000 anos e se dispersaram pela terra inteira, até fazer aflorar a extraordinária arte que estamos encontrando agora e que nos espanta pela beleza, requinte e sofisticada qualidade.


África do Sul: Blombos Cave 75.000 anos



Foi para a Europa: 40.000 anos


 


Nessas cavernas que foram ocupadas no meio da era Paleolítica por contingentes de seres que começaram a manipular o pensamento abstrato e, através de extraordinárias habilidades, se puseram a registrar sua presença, e seu entorno, por esculturas, pinturas, objetos de beleza impar e atualíssimos em suas concepções artísticas que nada devem às composições de nossa época.


1ª assinatura humana de 37.000 anos 


Homem-leão de 40.000 anos


Animais de 39.000 anos


Leões de 36.000 anos


Cavalos de 36.000 anos


 Venus de 35.000 anos


 Peças variadas de 35.000 anos a 5.000 anos


 


Busto de 25.000 anos 


As fotos são boas o suficiente para descrever o estupendo estágio de realização artística desses nossos avós, como esse maravilhoso busto de 25.000 anos, com um que de Modigliani, esculpido de um  dente de Mamute, coroando com chave de ouro, essa marcha ao longo de milhares de anos de evolução até nós.
















 
Os textos desse site podem ser reproduzidos, desde que se informe o autor e o endereço do site.
 
Genealogia e Historia = Autor Anibal de Almeida Fernandes