EMIRADOS ÁRABES UNIDOS


 Anibal de Almeida Fernandes


Abril, 2012 e Fevereiro, 2014.


1 USD = 3,65 Dhirans


Voltei, (2014), a Dubai a caminho de Laos, Camboja e Vietnam, a cidade continua maravilhosa, animadíssima com os mesmos formidáveis Malls, dessa vez conhecemos um novo, o Burjuman Mall, chiquérrimo e caríssimo, só super grifes, o que chamou a atenção é como diminuiu nos Malls os árabes em roupas típicas (camisolão branco para os homens e o vestido negro para as mulheres). Dessa vez, fiz reserva no At.mosphere no andar 122 (442m) do Burj Khalipha (849m). Valeu a pena, a entrada é pelo Hotel Armani todo em tons de marron e com vasos com flores muito bonitos, os indefectíveis japoneses que inundam Dubai e são a maioria dos hóspedes. O acesso se faz por elevador de uma única parada no andar 123, a partir daí é um deslumbre, a vista é impactante, o restaurante fica do lado do deserto e sentamos em mesa de janela (gasto mínimo de 650 Dhirans por pessoa) escolhi um menu degustação delicioso (anexo) a vitela crua com enormes lascas de trufa negra do Perigord estava excelente e a sobremesa de chocolate amargo e doce com folhas de ouro estava bem saborosa. Do lado do golfo Pérsico fica o Bar (gasto mínimo de 150 Dhirans por pessoa). O restaurante estava lotado com ocidentais europeus, japoneses e 2 casais de árabes em roupas típicas, Tommy Hilfiger tinha estado lá no dia anterior também almoçando, que é a hora certa de ir, para ver a extraordinária vista como nos contou nosso garçom, um animado ucraniano de 23 anos.


 


 


Dubai continua uma ilha da fantasia cara e excêntrica em contínua festa, formada do nada em apenas 40 anos, com 83.600km2 e 200 ilhas, o NGM de Janeiro de 2014 na pg. 79 informa que, dos 2.1000.000 de  hab. apenas 210.000 são Emiratis (nativos), os demais vem do mundo inteiro para trabalhar.


Os 7 Emirados tem 4.700.000 de hab. com o Dirham (USD=3,65Dhs) e muita atenção: não se deve abraçar ou beijar em publico, nem fotografar prédios públicos, áreas internas do aeroporto e as mulheres árabes. É impressionante a quantidade de Ferraris, Masserattis Lamborghinis e Bugattis Veyron, essa vez vimos um novíssimo Rolls Royce cor perola, chapa 65, na frente do Emirates Mall:


#Abu Dhabi: o maior, cerca de 72.000km2, é o mais rico, pertence à família al Nahyan, com o atual príncipe coroado Mohammed bin Zayed Al Nahyan, a capital tem 530.000hab., e com a crise de Dubai está se tornando um pólo de construção e empresas, Tem a belíssima Mesquita Sheikh Zayed, enorme, branca, elegante e luxuosa, com imensos jardins sendo construídos que a transformarão num oásis.


  Panoramica de Abu Dhabi 



 





#Dubai: com 3.600km2, (a cidade de São Paulo tem 1.550km2 e 20 milhões de hab.) sua capital tem 920.000hab, até a crise de 2008 era o mais extravagante e mais dinâmico dos emirados, pertence à família al Maktoum com o atual príncipe coroado Maktoum bin Rashid al Maktoum que passeia numa Mercedes branca  chapa nº 1, pelo que diz o guia carros até numero 100 são da família real; eles são donos de tudo como o hotel Burj al Arab (=Torre árabe) que é de um mau gosto retumbante na decoração e que dentro mata sua formidável arquitetura com as cores pesadas e contrastantes (o Sheik chegou no hotel quando estávamos tomando chá e tiramos foto com seu símpático motorista, abaixo); tem o restaurante al Mahara que fica sob o mar;



  Hotel Burj al Arab


 





Carro do Rei de Dubai, chapa 1; chapas até 100 são da família real


 


 


com o Burj al Khalifa (=Torre do Califa, entre no Google, vale a pena ver esse prédio monumental) o maior prédio do mundo com 849m. e 163 andares num projeto muito bonito com 9 seções articuladas que evitam a ação do vento do deserto fazendo balançar apenas 1m. no topo, para combater esse problema, usaram formas de "confundir os ventos", para reduzir a formação de vórtices, construindo o prédio de forma escalonada, com grandes recuos, (Adrian Smith é o Arquiteto responsável pelo desenho do Burj Khalifa), é rodeado por espelhos d’água com fontes que às 18,00h são acionadas num belíssimo show aquático. Burj Khalifa foi construída pela Emaar Properties pelo total de US$ 1,5 bilhão;


  Burj al khalifa o prédio mais alto do mundo = 849m 



Foto do lado do Golfo Pérsico: Bar do At.mosphere



Foto do lado do deserto: Restaurante do At.mosphere



  Monumental show noturno de luzes e água do Burj al Khalifa 




há vários shopping centers (todo mundo se enfia dentro por conta do calor de 50º Celsius no verão), entre eles o Emirates Mall que tem uma enorme pista de esqui com teleférico, num delírio de neve no meio do deserto e intensamente usado pela população, fingindo alegremente que está na Suiça; e no Dubai Mall, o mais vibrante de todos, com grupos de rapazes árabes (alguns de mãos dadas) de camisola branca e sandálias e moças de burca negra com o rosto descoberto (algumas cobertas só se vendo os olhos) conversando e flertando animadamente e tem um belíssimo aquário com centenas de peixes, inclusive enormes tubarões e uma incrível arraia muito amigável e sorridente que se encosta-se ao vidro e parece conversar com a gente. Dubai é o mais irreal dos emirados com seus bairros sobre a água que imitam palmeiras:




e um conjunto de ilhas imitando o mapa mundi, obtidos do golfo pérsico graças a milhões de toneladas de pedra e que deverão conter as casas dos estrangeiros que assim não poluem a terra sagrada do Islã que não pode ser comprada por quem não é nativo dos Emirados.


  Hotel na Palmeira 




  A areia do deserto é avermelhada e extremamente seca


 


 # Outros 5 Emirados: Ajman o menor de todos, Al Fujayrah, Ra’s al Khaymah, Sharjah, Umm al Qayayr.


Há 40 anos essa região era apenas areia do deserto, (que é avermelhada e tão seca que não gruda na mão), onde só havia aldeias de pescadores de pérolas do golfo pérsico. Com o tenente inglês Lawrence (da Arábia) que consegue criar a consciência árabe entre as tribos beduínas, que se espalhavam pela areia sem vida desta terra quente e seca, começa a história contemporânea desses beduínos e suas várias tribos que se unem e derrotam o moribundo Império Turco e depois com o começo da saga do petróleo e a chegada dos ingleses e franceses, como aves de rapina sobre o futuro dos beduínos, tudo muda rapidamente nesta região. A tribo dos Saudi protetores de Meca e Medina e descendentes do Profeta tem a maior porção do território e formam a Arábia Saudita com as maiores reservas de petróleo conhecidas, ao sul forma-se Yemen e Oman e na pequena área do leste faceando o Golfo Pérsico as 9 famílias dos Sheikhs beduínos cujos chefes são chamados de Emir (=daí Emirados) estão mais ou menos encurralados por todos esses agentes e resolvem para sua proteção e sobrevivência fazer uma confederação com saúde e defesa comuns e mantendo suas individualidades. Apenas 7 famílias aceitam e formam em 1971 essa confederação Emirados Unidos, capitaneados pelo Sheikh Zayed bin Sultan al Nahyan.


É muito significativa e impressionante a visão comercial e empresarial das 2 famílias reais Al Nahyan e Al Maktoum, que se abriram para o Ocidente, mas mantêm suas tradições milenares e transformaram Dubai com a Emirates, numa das esquinas do trafego aéreo mundial e se preparam com sabedoria e técnica para o fim do petróleo e poderão manter um ótimo padrão de vida para seus nativos (ninguém obtêm a cidadania nos Emirados e só podem morar enquanto trabalham, após a aposentadoria tem que ir embora) graças à inteligência como administram as suas possibilidades.
















 
Os textos desse site podem ser reproduzidos, desde que se informe o autor e o endereço do site.
 
Genealogia e Historia = Autor Anibal de Almeida Fernandes