João de Arantes, séc. XV, Portugal, até Enrico, séc. XXI  Brasil.


Estrutura numérica: 1 é o patriarca, 2 é filho, 3 é neto, 4 é bisneto, 5 é trineto, 6 é 4º neto, 7 é 5º neto, 8 é 6º neto, 9 é 7º neto, 10 é 8º neto, 11 é 9º neto, 12 é 10º neto, 13 é 11º neto, 14 é 12º neto, 15 é 13º neto, 16 é 14º neto, 17 é 15º neto.


Aníbal de Almeida Fernandes, Outubro, 2012.


1º) João de Arantes, o 1º Arantes, 15º avô de Enrico, está registrado no trabalho Nantes ou Arantes ou D’anantes, que hoje He Arantes de autoria do Padre Marcelino Pereira que viveu no século XVIII e que faz parte do Nobiliário “Coleção de Memórias Genealógicas”, (2º volume), manuscrito nº 876 do Arquivo Distrital de Braga. Era Cavaleiro Fidalgo de sangue e espada, Senhor da Quinta de Romay (o Padre Marcelino Pereira, séc. XVIII cita o Livro do pão que se pagava ao Cabido de Braga para provar que os Anantes/Arantes eram senhores da Quinta de Romay) comprada em 1495 de Pedro Nogueira, tabelião e escudeiro de João Teixeira Chanceler-Mor do Reino.


João de Arantes casado com Genebra de São Payo: o casal aparece oficialmente na história numa escritura feita a 9/3/1508, relativa à compra de uma herdade vizinha à Quinta de Romay, tendo por testemunhas Francisco Machado, (que foi um dos mais poderosos fidalgos da época, era Senhor da Casa de Castro, da Terra de Entre-Homem e Cávado, Senhor da Vila de Lousã, Comendador de Souzel na Ordem de Cristo e sogro do poeta Francisco de Sá de Miranda) e Diogo de Arantes (filho de João e Genebra), e também na escritura feita a 16/2/1509, onde entram como partes no aprazamento ao Cabido de Braga do Casal de Remonte, situado na Freguesia de Arentim.


João de Arantes casado com Genebra de São Payo, são pais de pelo menos, 3 filhos: João, o primogênito que herdou a Quinta de Romay, c.c. Francisca Macedo, da Casa de Samaça. Antonio (que recebeu Ordens Menores em 1511). Diogo (de quem descendem os mais de 30.000 Arantes brasileiros) e cuja descendência segue abaixo até Anibal:


João de Arantes, 15º avô de Enrico, nasceu cerca de 1460, séc. XV, no reinado de Afonso V. João era Morador da Casa Real, Condestável dos Espingardeiros do Rei D. João II por Carta de Ofício da Chancelaria d’El Rei, a 2/1/1488, Reino de Portugal, de quem foi Cavaleiro da Casa Real.





Condestável substituiu na hierarquia militar o alferes-mor e as suas funções aproximavam-se das que, modernamente, tem o chefe de Estado-Maior e, mais ainda, dos mestres-de-campo-generais dos séc. XVI e XVII (Verbo, Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, vol. IV, pg. 1279).


D. João II foi 13o Rei de Portugal, entre 1481-1495, o Príncipe Perfeito, (D. João II teria sido o modelo para o clássico livro, O Príncipe, de Maquiavel), ele assinou o Tratado de Tordesilhas a 7/6/1494, foi o maior incentivador da 1ª ação mundial de viagens da humanidade, o Ciclo das Descobertas Marítimas que se concretiza graças ao seu firme e completo posicionamento como único Senhor de Portugal, ele é considerado o Grande Rei de Portugal, pois quando sobe ao trono trata de fortalecer o poder real aliando-se à burguesia mercantil de Lisboa e irritando a alta nobreza portuguesa que procura aliança com a Espanha. Como foi o caso de seu primo D. Fernando II, 3º Duque de Bragança, o maior e mais rico Senhor de terras de Portugal, Castela, Navarra e Aragão que, por essa atitude, é degolado em Évora, em 1483, a mando de D. João II, que confisca para a Coroa Portuguesa os riquíssimos bens da Casa de Bragança, a mais opulenta de Portugal. Os Bragança fogem para Castela, procurando o abrigo da rainha Isabel (aquela rainha que financiou Cristóvão Colombo na descoberta da América), e só voltam em 1497, quando D. Manoel I, que era tio de D. João II e irmão de D. Afonso V, assume o trono e restitui os bens da Casa de Bragança a D. Jaime, filho de D. Fernando II, que se torna o 4o Duque de Bragança.


Nota: D. João I, o Mestre d’Aviz, criou para seus 2 filhos legítimos os primeiros Ducados de Portugal após a vitória de Ceuta em 1415: o 1º Ducado foi o de Coimbra para D. Pedro, o 2º Ducado foi o de Viseu para D. Henrique. Depois D. Pedro, 1º Duque de Coimbra, regente de Portugal entre 1439. e 1446, cria o 3º Ducado em 1442, o de Bragança, para seu irmão bastardo Afonso, Conde de Barcelos, nasc. em 1370, legitimado em 1401.


João de Arantes que, no século XV, era João de Nantes, cujo sobrenome ficou assim até D. João IV, o Restaurador (1604-1656), 21o Rei de Portugal. Depois o sobrenome mudou para D’Anantes. Na segunda metade do século XVII o sobrenome passa a d'Arantes, ou de Arantes, forma moderna sob a qual passará a ser escrito e o é, até hoje.


2) Diogo de Arantes, 14º avô de Enrico, casou-se com Maria Pires de Besteiros, pais de 5 filhos: Gaspar (n. 1530 e f. 23/9/1615 que sucedeu ao pai como Escrivão dos Órfãos), Simão, Gaspar Quinteiro (Abade de Carrazedo), Ana, Violante que segue:


Diogo de Arantes, Escudeiro Fidalgo do Rei e Morador da Casa Real, (estas qualificações constam da carta de nomeação como Escrivão e são sinais inequívocos de nobreza), ele foi nomeado, três vezes, Tabelião do Concelho de Entre-Homem e Cávado, a 11/3/1511 e 18/2/1516 por D. Manoel e a 9/9/1522 por D. João III. Era proprietário do Ofício de Escrivão dos Órfãos de Entre-Homem e Cávado e do Couto de Rendufe.


3) Violante de Arantes, f. 12/5/1622, c.c. Simão Gonçalves, Senhor da Quinta Espinheira, pais de:


4) Margarida de Arantes, a 14/8/1585 c.c. Gaspar Rodrigues, pais de:


5) Maria de Arantes, a 11/2/1624, c.c. Manuel Lopes, pais de:


6) Maria de Arantes, b. 6/2/1625, f. 4/5/1709, a 12/8/1646 c.c. Antonio Gonçalves Ferreira, pais de:


7) Francisco de Arantes, 9º avô de Enrico, b. 21/8/1659, f. 6/4/1733, Juiz nas freguesias da Porta e Salvador do Couto do Souto, Distrito de Braga, c.c. Ursula Gonçalves (Fernandes), pais do filho único:


8) Domingos de Arantes, b. 30/7/1693, Salvador do Couto do Souto, Braga, c.c. Josefa Marques, pais de:


9) Antonio de Arantes Marques (Capitão-Mor de Aiuruoca), 7º avô de Enrico, Patriarca do Tronco Arantes-Aiuruoca, n. 1738, f. 1801, enterrado na Matriz de Aiuruoca, c.c. Ana da Cunha Carvalho, (*1747 -1824), filha de Antonio da Cunha Carvalho, pais de:


10) Manuel Rufino de Arantes, c.c. Ana Joaquina, irmã do 1º Barão de Cajurú, pais de:


11) Joaquim Carvalho Arantes, c.c. Ana Elisa filha do 1º Barão de Cajurú (é irmã da Viscondessa de Arantes, da Baronesa de São João d’El Rei e do 2º Barão de Cajurú),


João Gualberto, 1º Barão de Cajurú a 30/6/1860, 6º avô de Enrico. Foi Juiz de Paz do Distrito e Tenente Coronel da Guarda Nacional do Turvo, com destacada atuação na Revolução Liberal de 1842. Em maio de 1849 recebeu a mercê honorífica da Imperial Ordem da Rosa, prestando solene juramento como Comendador, era Comendador da Real Ordem de Cristo. Casado com Ana Inácia Ribeiro do Valle, 1ª Baronesa de Cajurú, cerca de 1819.




12) Ana Margarida, c.c. João Antonio de Avellar e Almeida e Silva,


João Antonio, neto materno de Manoel de Avellar e Almeida, Patriarca do Tronco Avellar e Almeida de Vassouras, RJ, 6º avô de Enrico, que tem entre seus descendentes 7 titulares: 6 Barões: Ribeirão, Massambará, Avellar e Almeida, 2 Barão do Rio das Flores, 1ª mulher do Barão de Werneck, 1ª Baronesa do Rio das Flores e o Visconde de Cananéia.



                           BRASÃO da FAMÍLIA AVELLAR e ALMEIDA


O Brasão concedido a 22/11/1881, que está registrado no Cartório de Nobreza e Fidalguia do Império do Brasil pode ser usado pela Família Avellar e Almeida, por ser um título concedido pelo Imperador Pedro II, na modalidade ad personam sul-cognome, querendo com isso, honrar toda a família do Barão). O Brasão poderá ser usado pelos descendentes, (Fonte Documental: Mário de Méroe, Estudos sobre o Direito Nobiliário, Centauro Editora, São Paulo, 2000, pgs: 25/26)


 



O casal Manoel e Susana de Avellar e Almeida, 4ºs avós de Anibal, era dono da Fazenda Boa Vista do Mato Dentro. O casal era proprietário de 152 escravos conforme o Inventário nº 435 da Caixa nº 90 do Centro de Documentação Histórica da Universidade Severino Sombra, de Vassouras informado nas pgs 280, 281, 282 e 305 do livro E o Vale era o escravo, onde o autor Ricardo Salles também informa, à pg. 155, que eram considerados mega proprietários os fazendeiros com mais de 100 escravos.



13) Bernardina, n. 25/8/1869, f.18/7/1936, a 30/11/1889, Valença, c.c. Joaquim Rodrigues d’Almeida, n. 23/6/1866, f. 25/2/1937,


Joaquim, filho de Albino Rodrigues d’Almeida, c.c. Antonia neto de José Rodrigues d’Almeida, c.c. Maria do Carmo, Viseu, Portugal sec. XVIII, ele é primo de Joaquim d’Almeida, Barão de Almeida Ramos.


14) Anna, n. a 31/12/1907, f. a 24/4/1987, em 1927, c.c. Anibal de Barros Fernandes, n. 1/3/1904, f. 1973,


Aníbal de Barros Fernandes, filho de João Antonio Fernandes c.c. Ana Joaquina de Barros, Campinas/Agudos, SP, neto por parte de pai de Antonio José Fernandes e Ana Joaquina Adão, Vila Real, Portugal; neto por parte de mãe de André Gonçalves e Maria Francisca de Barros, Campinas SP, que é irmã de Adriano Júlio de Barros, n. em 1868, médico e presidente da Câmara Municipal de Campinas no séc. XIX, c.c. Altimira Alves Couto, pais de: Adriano, Argemiro, Antonio Carlos, Maria Amélia, Julieta e Lilia que é c.c. um filho de José Vicente de Azevedo, Conde Romano de Vicente de Azevedo (título da Santa Sé no século XX). Maria Francisca (4ª avó de Enrico) e Adriano Júlio são filhos do Comendador José Júlio de Barros e de Emerenciana Ferreira Zimbres de Queirós, 5ºs avós de Enrico, portugueses da freguesia de Gouvães do Ouro, Concelho de Sabrosa, Vila Real, que vieram para o Brasil na segunda metade do séc. XIX; neto paterno de Bernardo Rodrigues Salgado e de Justina de Barros, 6ºs avós de Enrico, neto materno de Zeferino de Queirós e de Maria Ferreira Zimbres, 6ºs avós de Enrico


15) Anibal de Almeida Fernandes, n. em 1944, (15 gerações e 484 anos depois) c.c. Maria José Giordano Del Grande,


Maria José, filha de José Del Grande c.c. Thereza Giordano, neta paterna de Seraphim Del Grande c.c. Judite Del Carlo, Lucca, Itália, neta materna de Domingos Giordano, fundador em 1900 da 1a Casa Bancária de São Paulo, c.c. Carmela Spina, bisneta materna de Vicente Giordano c.c. Angela Maria Barra Falchi, trineta materna do Cavagliere da Ordem de São Maurício e São Lázaro da Casa Real de Sabóia, Francesco Antonio Barra, sobrinha bisneta de Nicolino, Barão Barra, título do Governo Italiano. Radicados em São Paulo em palacete até o presente, existente no início da Av. Liberdade, do nº 340 a 360, eles vieram de Torraca, Salerno, Itália, em meados do sec. XIX.


16) Ana Tereza Del Grande Arantes de Almeida Fernandes, n. em 1977, 14ª neta de João de Arantes, seu 14º avô, numa linhagem contínua de 16 gerações em 517 anos com 32,31 anos, em média, por geração, do Século XV (1460) até o Século XX (1977), a 24/8/2007, c.c. Felipe Augusto Alonso, filho de Geraldo Alonso Filho e Ana Regina Alonso. Passa a assinar Ana Tereza Arantes de Almeida Alonso.


Atenção: Eu quis retomar o sobrenome Arantes e registrei minha filha única, ao nascer, com o sobrenome que é nosso desde o século XV, ou seja, é um sobrenome anterior ao descobrimento do Brasil.


17) Enrico Arantes de Almeida Alonso, 15º neto de João de Arantes, seu 15º avô, numa linhagem contínua de 17 gerações em 550 anos com 32,35 anos, em média, por geração, do Século XV (1460) até o Século XXI (2010).


Fontes documentais e históricas para estruturar esse trabalho:


1) 3 Registros documentais de posse do Arquivo Distrital de Braga, Portugal, no qual estive confirmando os documentos em Setembro/2012:


# Escritura: João de Arantes e sua mulher Genebra de São Payo, aparecem numa escritura feita a 9/3/1508 relativa à compra de uma herdade vizinha à Quinta de Romay, tendo por testemunhas Francisco Machado, (que foi um dos mais poderosos fidalgos da época, Senhor da Casa de Castro, da Terra de Entre-Homem e Cávado, Senhor da Vila de Lousã, Comendador de Souzel na Ordem de Cristo e sogro do poeta Francisco de Sá de Miranda) e Diogo de Arantes (filho de João e Genebra).


# Escritura: João de Arantes e sua mulher Genebra de São Payo, entram como partes na escritura, a 16/2/1509, do aprazamento ao Cabido de Braga do Casal de Remonte situado na Freguesia de Arentim.


# Carta de Ofício da Chancelaria de D. João II: João de Arantes foi nomeado a 2/1/1488 Condestável dos Espingardeiros do Reino no turbulento reinado de D. João II (filho de Afonso V) de quem foi Cavaleiro da Casa Real.


Condestável substituiu na hierarquia militar o alferes-mor, e as suas funções aproximavam-se das que modernamente tem o chefe de estado-maior, (um Ministro da Guerra) e, mais ainda, das dos mestres-de-campo-generais dos séc. XVI e XVII (Verbo, Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, vol. IV, 1279). Os soberanos que governavam mais de um reino ou senhorio tinham, em regra, um Condestável para cada um desses estados, como acontecia em Inglaterra.


2) Felgueiras Gayo, informa que o foro de cavaleiro e escudeiro era sinal de nobreza; principalmente quando o titulo já era usado antes da reforma feita por D. Sebastião, em 1572, que abrandou as exigências para a concessão dos títulos.


3) A pesquisa mandada fazer pelo primo, engenheiro lisboeta, Eduardo de Arantes e Oliveira, que resultou na descoberta do trabalho Nantes ou Anantes ou Danantes (que hoje he Arantes), de autoria do Padre Marcelino Pereira que viveu no século XVIII, identifica o primeiro Arantes que está registrado no Nobiliário Coleção de Memórias Genealógicas, (2º volume), manuscrito nº 876 do Arquivo Distrital de Braga e que está registrada na pg. 1.024 do Livro da Família Arantes de Américo Arantes Pereira, serve de base para este resumo da origem dos Arantes, que identificou o primeiro Arantes, era ele: João de Arantes.


BIBLIOGRAFIA consultada para estruturar este trabalho:


. Provas Documentais: Matriz de Aiuruoca: autos do Inventário, pg. 84, maço 5, Maio=1814 e Testamento, de 30/12/1800 de Antonio de Arantes Marques, (fal. 17/5/1801), Fazenda da Conquista, que consta de livro de Óbitos nº 7, pg. 179 verso, Aiuruoca, certificado a 29/8/1814 pelo presbítero: Cassiano Accioli d´Albuquerque. Museu Regional de São João del Rei, Tipo de Documento: Inventário, Ano: 1816, Caixa: 05.


. Testamento e Inventário do Capitão-Mor Antonio de Arantes Marques: 19/10/1816, Caixa 5, Museu Regional de São João d’El Rei, pesquisado por Gilberto Alves Furriel da Silva, pesquisador in situ, Aiuruoca, MG, 2003.


. Pereira, Américo Arantes - A Família Arantes, estudo genealógico, Editora Legis Summa Ltda., Ribeirão Preto, 1993, editado por Flávia Meirelles Pereira Ferriani, filha do autor.


. Arantes, Arnaldo - A Família Arantes, Saraiva S.A., SP, 1953.


. Nantes ou Anantes ou Danantes (que hoje he Arantes), de autoria do Padre Marcelino Pereira que viveu em Portugal no século XVIII, que identifica o primeiro Arantes no Nobiliário Coleção de Memórias Genealógicas, (2º volume), manuscrito nº 876 do Arquivo Distrital de Braga


. E o Vale era o escravo, Ricardo Salles, Civilização Brasileira, 2008 > Manoel de Avellar e Almeida, pgs: 280/281/282 e Centro de Documentação Histórica Severino Sombra (CDH), > inventário nº 435, caixa 90, pg. 305.


. site www.genealogiahistoria.com.br


. Biblioteca Pública e Arquivo Distrital de Braga, a 19/11/1946, carta do Diretor Francisco Lopes Teixeira informa que os Arantes são oriundos das Freguesias do Salvador do Couto do Souto e de São Mateus da Ribeira, hoje pertencentes ao Concelho de Terras do Bouro, Distrito de Braga.


. Rheingantz, Carlos G. - Titulares do Império, Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, RJ, 1960.


. Guimarães, José - As Ilhoas, pg. 65, Revista Genealógica Latina, Vol.XII, IGB, SP, 1960.


. Stulzer, Frei Aurélio - Notas para a História da Vila de Pati do Alferes, Lito-Tipo Guanabara Ltda., RJ, 1944.


# The Bee: Symbol of immortality and resurrection, the bee was chosen so as to link the new dynasty to the very origins of France. Golden bees (in fact, cicadas) were discovered in 1653 in Tournai in the tomb of Childeric I, founder in 457 of the Merovingian dynasty and father of Clovis. They were considered as the oldest emblem of the sovereigns of France.


# Jean-Jacques Chifflet: On May 27, 1653 a mason, Adrien Quinquin, working on the reconstruction of the church of Saint-Brice in Tournai, discovered a Merovingian tomb containing various articles, including a leather purse containing gold coins, a gold bracelet, some pieces of iron, and numerous pieces of gold cloisonnéed with garnets, among these the 300 bees. One of the pieces was a ring with the inscription CHILDERIC REGIS, identifying the tomb as that of Childeric I, father of Clovis. The discovery excited great interest in Tournai and Brussels. Archduke Leopold William, Spanish governor of the Netherlands, put his personal physician, Jean-Jacques Chifflet, in charge of studying and publishing the finds. In 1655 he published his work, Anastasis Childerici I Francorum regis, sive thesaurus sepulchralis Tornaci Neviorum effossus et commentario illustratus. Leopold William took the treasure to Vienna when he left the Netherlands in 1656. On his death, the treasure became the property of the Emperor of Austria, Leopold I. In 1665 Leopold gave the treasure to Louis XIV as a gift in recognition of the help of the French against the Turks and against a revolt of Austrian subjects in Hungary.


-www.genealogiahistoria.com.br



 

Os textos desse site podem ser reproduzidos, desde que se informe o autor e o endereço do site.
 
Genealogia e Historia = Autor Anibal de Almeida Fernandes