BERNARDA DUTRA DA SILVEIRA, 5ª neta de Balthazar Moraes de Antas e 6ª avó de Anibal, projetocompartilhar/bernardadspais.htm


  Anibal de Almeida Fernandes, Janeiro, 2009, atualizado Dezembro, 2016


Nasceu e foi batizada na Freguesia de Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo, e é filha legítima de Francisco Furtado Dutra, da Ilha do Fayal, Açores, nascido por volta de 1700, e de sua mulher Florência Francisca das Neves. Casou com Antonio da Cunha de Carvalho e se estabeleceram na fazenda dos Pilões em Serranos, Freguesia de Aiuruoca. Antonio era irmão do Tenente Coronel Francisco da Cunha de Carvalho (ASBRAP 9º pesquisa de Aguinaldo Ribeiro da Cunha Filho) e de Domingos Carvalho da Cunha, todos os três filhos de Antonio da Cunha e Teodósia Álvares (estudo “Os irmãos Cunha de Carvalho - Carvalho da Cunha” e inventário de José Pereira de Carvalho - 1814 neste site).


# Bernarda Dutra da Silveira (bat. 1724), c.c. (1743) Antonio da Cunha de Carvalho (*1728):


Gabriel da Costa Resende, Vigário encomendado nesta freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Ayuruoca, certifico que vendo os livros que servem dos assentos de casamentos nesta freguesia da Ayuruoca, no livro terceiro a folha 162, achei um assento do teor seguinte = Aos quatorze dias do mês de setembro de mil setecentos e sessenta e [outo] anos, (14/9/1768), na capela dos Serranos desta freguesia com provisão do Reverendo Doutor vigário da vara Encomendado nesta freguesia da Ayuruoca Boa Ventura Lopes e logo dei as bênçãos a Antônio de Arantes Marques, filho legítimo de Domingos de Arantes e Josefa Francisca Marques, batizado na freguesia de São Salvador de [Souto/Soreto], comarca de Viana, Arcebispado de Braga, com Ana da Cunha, filha legítima de Antônio da Cunha de Carvalho e de Bernarda Dutra da Silveira, batizada nesta freguesia da Ajuruoca, tendo testemunhas Henrique Dias de Vasconcelos, o Licenciado Francisco Antônio Lopes Guimarães, Manoel da Silva Torres, Joseph Garcia, e outros, e para constar fiz este assento (....) 18 de abril de 1795.


 Inquirição de Genere do padre: Antônio Joaquim Arantes, 1796, São João Del Rei, Armário 01/Pasta 178: pesquisa de Renata Diório, fornecida por Vinicius da Mata Oliveira, Maio-2015


Bernarda ditou seu testamento aos 17/4/1792, aberto em 13/2/1795 (neste site). Coronel Antonio faleceu em sua fazenda dos Pilões aos 13/8/1803 (a data coincide com o testamento transcrito a 2/4/2000 por Gilberto Alves Furriel da Silva). Bernarda declarou ter tido 16 filhos, dos quais eram vivos os treze seguintes, (atenção a ordem dos filhos não coincide com o testamento transcrito a 2/4/2000 por Gilberto Alves Furriel da Silva, que tem essa seqüência: Bento, Antonio, Francisco, Cristóvão, José, Manoel, João, Anna, Tereza, Theodósia, Izabel, Margarida e Maria):

BENTO DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 1º

ANA DA CUNHA DE CARVALHO, 5ª avó de Anibal Cap. 2º

ANTONIO DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 3º

FRANCISCO DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 4º

CRISTOVÃO DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 5º

JOSÉ DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 6º

MANOEL DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 7º

TERESA DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 8º

THEODOSIA BERNARDA DA CUNHA Cap. 9º

IZABEL DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 10º

JOÃO DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 11º

MARGARIDA DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 12º

MARIA DA CUNHA DE CARVALHO Cap. 13º

Francisco e Florência Francisca, projetocompartilhar/bernardadspais.htm

Natural de Barbacena, Bernarda foi moradora em Serranos, Freguesia de Aiuruoca, onde batizou seus muitos filhos e deixou grande geração.

Foi filha de Francisco Furtado Dutra e Florência Francisca das Neves, moradores em Aiuruoca.

Francisco e Florência Francisca tiveram, entre outros, os filhos:

-Rita, batizada em Aiuruoca aos 9-9-1736

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- 1734 a 1749 livres: aos 09 set 1736 matriz, Rita, f. de Francisco Furtado Dutra e s/m Florencia Francisca, padr.: Salvador Pires Monteiro e Sebastiana de Moraes, solteira, filha de Manoel de Moraes.

-Isabel, idem aos 3-8-1738

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- 1734 a 1749 livres: aos 03 nov. 1738 matriz, Isabel, f. Francisco Furtado Dutra e Florencia Francisca, padr.: Manoel Alvares do Valle,, homem casado e morador na freg. de S. João del Rei e Sebastiana Francisca Maciel, mulher de Francisco Martins Borralho.

-Antonio, aos 15-12-1740

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- 1734 a 1749 livres: aos 15 dez 1740 matriz, Antonio, f. Francisco Furtado Dutra e Florencia Francisca das Neves, padr.: Manoel Rodrigues Guimarães e ----- mulher de Pedro Antonio de Campos.

-Iria, aos 14-11-1742

Igreja N. Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- 1734 a 1749 livres: aos 14 nov 1742 matriz, Iria, f. de Francisco Furtado Dutra e s/m Florencia Francisca das Neves, padr.: Leandro de Castro, solteiro e Maria Soares mulher de Domingos Teixeira, todos desta freguesia.

-Maria da Conceição, natural de Aiuruoca, em Serranos aos 28-01-1761 casou com João Duarte, natural da Freguesia Vila de S. Jorge, Bispado de Angra, filho legitimo de Antonio Teixeira Barros e Maria da Cunha.

Igreja N. Sra. da Conceição de Aiuruoca, comarca do Rio das Mortes - casamentos 1749-1761 - Aos 28 janeiro 1761 Serranos - João Duarte, n. freg. vila de S. Jorge, bispado de Angra, f.l. de Antonio Teixeira Barros e Maria da Cunha; c/ Maria da Conceição, n. desta freg. Aiuruoca, f.l. de Francisco Furta. Dutra e Florencia Francisca das Neves.

 -Bernarda Dutra da Silveira, objeto deste estudo.

Fontes: Assentos de Batismos, Casamentos e Óbitos de Aiuruoca-MG, compilados dos livros da Matriz de Aiuruoca (microfilmes da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) e inventários (neste site).


http://br.geocities.com/projetocompartilhar3/bernardadutradasilveira1795antoniodacunhadecarvalho1803.htm

  BERNARDA DUTRA DA SILVEIRA

    Testamento


 Museu Regional de São João del Rei


Tipo de Documento: Testamento

Ano: 1808

Caixa 131

Testadora: Bernarda Dutra da Silveira

Testamenteiro: Capitão Custódio José Vieira

Local: Campanha da Princesa

Nº de Paginas: 44

Transcrito por: Edriana Aparecida Nolasco a pedido de Regina Moraes Junqueira

fl. 02

Diz o Capitão Custódio José Vieira morador na freguesia da Aiuruoca deste termo, na qualidade de Testamenteiro e herdeiro de Dona Bernarda Dutra da Silveira (---) e porque todas as mesmas disposições deixou a seu sogro o Coronel Antonio da Cunha de Carvalho de quem é hoje o suplicante também testamenteiro em uma carta fechada cujas disposições se acham cumpridas (---).

fl. 03 - TESTAMENTO

Em nome da Santíssima Trindade Padre, Filho Espírito Santo três pessoas distintas e um só Deus verdadeiro em que creio e nesta fé protesto viver e morrer.

Eu Bernarda Dutra natural e batizada na Freguesia de Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo, hoje vila de Barbacena, filha legitima de Francisco Furtado Dutra e Florencia Francisca das Neves já defuntos e de presente assistente nesta Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Aiuruoca, estando doente de cama mas em meu perfeito juízo que Deus me deu, temendo-me da morte que a todos é certa mas incerta a hora e como não sei o que Deus disporá de mim ordeno esta minha disposição da maneira seguinte:

Nomeio para meus testamenteiros em primeiro lugar a meu marido o Coronel Antonio da Cunha de Carvalho, em segundo lugar a meu filho o Capitão Francisco da Cunha de Carvalho, em terceiro lugar a meu filho o Tenente Cristóvão da Cunha de Carvalho (---).

Meu corpo será amortalhado em Hábito de Nossa Senhora do Monte do Carmo havendo e não havendo em um lençol ou no que for do agrado de meu testamenteiro, sepultado nesta Freguesia da Aiuruoca sendo aqui o meu falecimento e sendo em outra parte na Igreja em que for mais conveniente (---).

Declaro que sou casada com o dito Coronel Antonio da Cunha de Carvalho e de cujo matrimônio tivemos (fl. 03v.) dezesseis filhos dos quais se acham vivos treze que são: Bento, Antonio, Francisco, Cristóvão, José, Manoel, João, Ana, Theresa, Theodosia, Isabel, Margarida, Maria os quais todos são meus legítimos filhos e como tais os instituo e nomeio por meus legítimos e universais herdeiros das duas partes da minha meação pagas as dividas do casal o que deve sair do Monte e do liquido que fica da minha meação duas partes são de meus filhos e da terça parte que é minha deixo disposto em uma carta fechada que será entregue a meu Testamenteiro para dispor como nela determino da qual não serão obrigados meus testamenteiros darem conta em juízo porque sei que darão cumprimento a tudo pelas suas boas consciências que neles tenho alcançado (---).

(---) pedi e roguei ao Reverendo Vigário Gabriel da Costa Resende que este

por mim fizesse e assinasse (---).

Pilões da Freguesia da Aiuruoca, 17 de Abril de 1792

Dona Bernarda Dutra.

fl. 04 - Abertura

Aos treze dias do mês de Fevereiro de mil e setecentos e noventa e cinco nesta Paragem chamada a Fazenda dos Pilões (---) foi entregue este Testamento com que faleceu Dona Bernarda Dutra pelo Coronel Antonio da Cunha de Carvalho (---).

fl. 10 -

Dizem o Sargento Mor Bento da Cunha de Carvalho, o Capitão Antonio da Cunha de Carvalho, o Tenente Cristóvão da Cunha de Carvalho, o Alferes José da Cunha de Carvalho, Dona Ana da Cunha, Dona Teresa da Cunha, e Dona Maria da Cunha que (---) Theodósia da Cunha (---).

fl. 18

Diz o Capitão Custódio José Vieira, testamenteiro da falecida Dona Bernarda da Dutra da Silveira (---) relatório dos bens que na Partilha do respectivo inventário tocaram os órfãos filhos do herdeiro o falecido Capitão Francisco da Cunha de Carvalho, assim como os bens que tocaram aos herdeiros filhos da falecida herdeira Dona Isabel da Cunha de quem o viúvo pai e administrador dos bens o Capitão João Rodrigues Correa de Barros (---).


  ANTONIO DA CUNHA DE CARVALHO, coronel  

   e BERNARDA DUTRA DA SILVEIRA


   Inventário


 Arquivo: Museu Regional de São João del Rei


Tipo de Documento: Inventário

Ano: 1803

Maço 20 - nº21

Livro nº 1 de Tutelas, fls. 21 (11)

Inventariados: D. Bernarda Dutra da Silveira e Coronel Antonio da Cunha de Carvalho

Inventariante: Capitão Custódio José Vieira

Local: Fazenda dos Pilões, Campanha da Princesa, Comarca do Rio das Mortes.

Data: 05-11-1803

Nº de Fls: 12

Cópia, do manuscrito original, disponibilizada por Aguinaldo Ribeiro da Cunha Filho

Resumido por Bartyra Sette

fls. 02

Declarou ele Inventariante Testamenteiro haver falecido o dito Testador Coronel Antonio da Cunha de Carvalho no dia treze de Agosto deste presente ano de mil oitocentos e tres com seu Solene Testamento (...).

Declarou mais que falecendo a Testadora Dona Bernarda Dutra da Silveira no dia treze de Fevereiro do ano de mil setecentos e noventa e cinco com seu Solene Testamento aprovado (...).

Título de Herdeiros:

01- Sargento Mor Bento da Cunha de Carvalho.

02- Capitão Antonio da Cunha de Carvalho

03- Dona Anna da Cunha de Carvalho, viúva do Capitão Antonio de Arantes Marques, 5ºs avós de Anibal.

04- Tenente Crystovão da Cunha de Carvalho

05- Alferes José da Cunha de Carvalho

06- Dona Theresa da Cunha de Carvalho, viúva do Tenente João Ferreira Villarinho.

07- Dona Theodosia da Cunha de Carvalho, casada com o Tenente Lourenço de Souza Barbosa

08- Dona Margarida da Cunha de Carvalho, casada com o Capitão Custódio José Vieira.

09- Dona Maria da Cunha de Carvalho [ final da pagina cortado-]

10- João da Cunha de Carvalho, de idade de trinta e oito anos, demente.

11- Capitão Francisco da Cunha de Carvalho, já falecido, casado com Dona Francisca de Vasconcellos.

Herdeiros destes:

01- Dona Bernarda, de idade de quinze anos

02- Antonio de Vasconcellos, de idade de quatorze anos.

03- Dona Ana, de idade de treze anos.

04- Dona Margarida, de idade de doze anos.

05- Dona Escolástica, de idade de onze anos.

06- Dona Theresa, de idade de dez anos.

12- Dona Isabel da Cunha de Carvalho, já falecida, casada com o Tenente João Rodrigues Correia de Barros

Herdeiros destes:

01- João, de idade de dezesseis anos

02- Antonio, de idade de quinze anos

03- Venancia, de idade de doze anos.

04- Angelica, de idade de dez anos

05- Escolástica, de idade de oito anos.

06- Felisberto, de idade de seis anos

07- Theraluz Isabel, de quatro anos.

13- Manoel da Cunha de Carvalho, defunto e sem herdeiros


Aníbal (*1944), sec. XX, e sua ascendência até Balthazar de Moraes de Antas (*1537), sec. XVI, Portugal, seu 12ºavô, em 407 anos.

 SILVA LEME: TÍTULO MORAES: Volume VII – (Pág. 03, Pag 25 e Pags 56/57)


1) Balthazar, (*1537 +1600) o Patriarca, c.c. Brites, 12ºs avós de Anibal, tiveram 4 filhos:

2.1) Pedro de Moraes de Antas, c.c. Leonor Pedroso, com 7 filhos.

2.2) Balthazar de Moraes de Antas, o moço, c.c. Ignez Rodrigues, 11ºs avós de Anibal, pais de 9 filhos, entre eles, Accenço que segue abaixo (Pag 25 Vol VII Cap 2, Silva Leme).

2.3) Anna de Morais de Antas, casou primeiro com Pantaleão Pedroso, (irmão de Leonor Pedroso), com 2 filhos. Segunda vez com Francisco Velho, português, com 5 filhos.

2.4) Izabel de Moraes, fal. em 1654, c.c. Luiz Fernandes, o Velho.

3.3) Accenço de Moraes d'Antas, (pg. 56), 10ºavô de Anibal, f.º do Cap. 2º, faleceu em 1668 em S. Paulo com testamento, e foi casado com Maria de Siqueira Baruel f.ª de João Baruel e de Marianna de Siqueira. Tit. Jorges Velhos. A viúva Maria de Siqueira passou a 2.ªs núpcias com Antonio Rodrigues de Escudero f.º de Domingos Affonso de Escudero e de Maria Rodrigues. V. 5.º pág. 408. Teve 3 f.ºs:

4.1) Isabel de Moraes, 9ªavó de Anibal, tinha 6 anos em 1668, e casou 1.º com Pedro de Fontes Garcia falecido em 1679, e 2.ª vez com Manoel Fernandes Preto; faleceu Isabel de Moraes em 12/5/1739 em Itu com 80 anos de idade e teve:

Do 1.º marido o f.º:

5.1) Manoel de Moraes, 8ºavô de Anibal, casado com Josepha da Costa f.ª de Paulo da Costa Agostim e de Cecilia da Costa. Teve q. d.: (Pág. 56 Vol VII = Silva Leme), pai de Florencia.


Informação de Marcos Camargo, de San Diego, Califórnia, por correspondência eletrônica com Anibal em Out/2013. Prova documental: Florencia Francisca das Neves filha de Manoel de Moraes de Antas. 


Prova Documental da Filiação: Florencia Francisca das Neves, 7ªavó de Anibal, filha de Manoel de Moraes de Antas, 8ºavô de Anibal filho de Isabel de Moraes que é filha de Accenço de Moraes, 10ºavô de Anibal, neto de Balthazar. Pg. 1 abaixo:


https://familysearch.org/pal:/MM9.3.1/TH-1-16047-15499-25?cc=2177299&wc=M971-MBC:1462860254



Destaque da citação de Florencia, 7ªavó de Anibal como filha de Manoel de Moraes 8ºavô de Anibal, ampliada por Laís Gonçalves Faria.



Processo de casamento de Ana Teresa de Moraes e Joao Duarte Franca viuvo que ficou de Rita Maria da Conceição (filha de Florencia). Pg. 2




6.1) Florência Francisca das Neves, c.c. Francisco Furtado Dutra, da Ilha do Fayal, Açores, 7ºs avós de Anibal, é nascido por volta de 1700, pais de 8 filhos:

7.1-Rita Maria da Conceição casada com João Duarte França,

7.2-Isabel de Moraes de Antas (é a irmã apontada por José Guimarães em sua carta de Jan/1987),

7.3-Josefa Francisca das Neves,

7.4-Antonio,

7.5-Iria,

7.6-Teresa Maria Dutra,

7.7-Francisco da Silveira Dutra,

7.8 Bernarda Dutra da Silveira nascida em Barbacena, MG. Casou com Antonio da Cunha de Carvalho, 6ºs avós de Anibal e foram pais de 13 filhos. Eles se estabeleceram na fazenda dos Pilões em Serranos, Freguesia de Aiuruoca. Antonio era irmão do Tenente Coronel Francisco da Cunha de Carvalho (ASBRAP 9º pesquisa de Aguinaldo Ribeiro da Cunha Filho) e de Domingos Carvalho da Cunha, todos os três filhos de Antonio da Cunha e Teodósia Álvares (estudo “Os irmãos Cunha de Carvalho - Carvalho da Cunha” e inventário de José Pereira de Carvalho - 1814). Testamento de Bernarda: Eu Bernarda Dutra natural e batizada na Freguesia de Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo, hoje vila de Barbacena, filha legitima de Francisco Furtado Dutra e Florencia Francisca das Neves já defuntos e de presente assistente nesta Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Aiuruoca. Ela declara os 13 filhos abaixo:

1)Bento, 2)Antonio, 3) Anna (viúva de Antonio de Arantes Marques, f. a 17/5/1801, 5º avô de Anibal), 4)Cristóvão, 5)José, 6)Thereza (viúva de João Ferreira Villarinho), 7)Theodósia (avó do 1º Barão do Rio das Flores), 8)Margarida (casada com Custódio José Vieira que aparece no testamento de seu cunhado Antonio de Arantes Marques como arrendatário por 12 anos, da fazenda Conquista em Aiuruoca, que é o berço do Tronco Arantes-Aiuruoca e até hoje pertence à família Arantes), 9)Maria, 10)João, 11)Francisco (fal.), 12)Isabel (fal.) e 13)Manoel (fal.).

Segue a descendência da 3ª filha Anna, 5ª avó de Anibal:

8.3 Anna c.c. Capitão-Mor de Aiuruoca Antonio de Arantes Marques, Aiuruoca, Mg, fundador da fazenda Conquista em 1768, séc. XVIII, que existe até hoje na posse de Arantes.


Foram pais de 11 filhos legítimos entre eles Manoel Rufino 4º avô de Anibal, que segue abaixo:

9.6 Manoel Rufino c.c. Ana Joaquina Carvalho, pais de:

10.8 Joaquim (*1816), 3ºavô de Anibal


Joaquim c.c. Ana Elisa Ribeiro do Valle Carvalho (*1821), (tem o mesmo nome Ana, que a mãe Ana Ribeiro do Valle, a avó paterna Ana Maria Joaquina, a tia paterna Ana do Ingaí, a avó materna Ana Custódia da Conceição, e as bisavós maternas Ana Custódia de Paula e Ana Maria da Conceição) é filha do 1º Barão de Cajurú:

Detalhe do Livro de Batismo dando a filiação de Ana Elisa (1855)


1º Barão de Cajurú, Decreto Registrado no Livro VIII, Pag. 54, Seção Histórica do Arquivo Nacional, com petição feita a 9/6/1860, pelo Visconde do Bonfim e pelo Visconde de Ipanema a Pedro II. Nasc. e bat. em 1797, São João d’El Rei, fal. 21/2/1869, S. Miguel do Cajurú, Ten-Coronel da Guarda Nacional, Comendador da Ordem da Rosa em 1849 e da Ordem de Cristo.

11.1 Ana Margarida (*1842) c.c. João Antonio de Avellar e Almeida e Silva (*1833), neto de Manoel de Avellar e Almeida, 4ºavô de Anibal, Vassouras, RJ.


O casal Manoel e Susana de Avellar e Almeida, 4ºs avós de Anibal, era dono da Fazenda Boa Vista do Mato Dentro. O casal era proprietário de 152 escravos conforme o Inventário nº 435 da Caixa nº 90 do Centro de Documentação Histórica da Universidade Severino Sombra, de Vassouras informado nas pgs 280, 281, 282 e 305 do livro E o Vale era o escravo, onde o autor Ricardo Salles também informa, à pg. 155, que eram considerados mega proprietários os fazendeiros com mais de 100 escravos.






BRASÃO da FAMÍLIA AVELLAR e ALMEIDA


Este Brasão foi concedido por Carta de Brasão em 1881, e está registrado no Cartório da Nobreza e Fidalguia do Império do Brasil, Livro II, folhas 9/11, ao Barão de Avellar e Almeida, Decreto de 7/1/1881, cujo título está registrado no Livro X pág. 70 Seção Histórica do Arquivo Nacional. É um título concedido ad personam sul cognome, isto é, dado a uma pessoa específica e apoiado sobre o nome da família do titulado. Esta forma de título só é usada quando o Imperador deseja prestar homenagem também à família, dignificando-lhe o nome. O Brasão tem um pé de café e uma abelha como arma heráldica e pode ser usado pela Família Avellar e Almeida sem o Coronel (coroa) e a comenda, que são exclusivos do Barão e não são hereditários, conforme as leis de heráldica e do Direito Nobiliárquico: Fonte Documental: Mário de Méroe, Estudos sobre o Direito Nobiliário, Centauro Editora, São Paulo, 2000, pgs: 25/26.


pais de:


12.1 Bernardina (*1869) c.c. Joaquim Rodrigues d’Almeida (*1866) pais:



13.8 Anna (*1907) c.c. Aníbal de Barros Fernandes (*1904), pais de:

14.3 Aníbal de Almeida Fernandes (*1944) c.c. Maria José Giordano Del Grande pais de:

15.1 Ana Tereza Del Grande Arantes de Almeida Fernandes, (*1977), 13ª neta de Balthazar (*1537), numa linhagem de 15 gerações contínuas em 440 anos com 29,33 anos, em média, por geração, do Século XVI (1537) até o Século XX (1977); a 24/8/2007, c.c. Felipe Augusto Alonso, filho de Geraldo Alonso Filho e Ana Regina Alonso. Passa a assinar Ana Tereza Arantes de Almeida Alonso, pais de:

16.1 Enrico Arantes de Almeida Alonso, (*15/10/10), 14º neto de Balthazar (*1537).

Bibliografia e prova documental, pesquisada para estruturar esse trabalho:

# Regina Maria Moraes Junqueira, SP, 1999, suas pesquisas/informações são a espinha dorsal deste trabalho.

# Informação de José Guimarães, insígne genealogista de Ouro Fino, MG por carta para Anibal em Jan/1987, dando a ligação de Bernarda com Balthazar de Moraes de Antas.

# Genealogia Paulistana de Luiz Gonzaga da Silva Leme Vol. VII-Título Moraes

Pag 25: Balthazar de Moraes de Antas, o moço, foi casado com Ignez Rodrigues f.ª de Domingos Gonçalves e de Maria Rodrigues, por esta, neta de Garcia Rodrigues e de Izabel Velho. Tit. Garcias Velhos. Teve q. d.:

1-1 Manoel Rodrigues de Moraes § 1.º

1-2 Anna de Moraes § 2.º

1-3 Accenço de Moraes d'Antas § 3.º

1-4 Ignez Rodrigues de Moraes § 4.º

1-5 Izabel de Moraes § 5.º

1-6 Maria de Moraes § 6.º

1-7 Rufina de Moraes § 7.º

1-8.... § 8.º

1-9 Alvaro de Moraes Madureira § 9.º

Pg 56:

1-3) Accenço de Moraes d'Antas, 10ºavô de Anibal, f.º do Cap. 2.º, faleceu em 1668 em S. Paulo com testamento, e foi casado com Maria de Siqueira Baruel f.ª de João Baruel e de Marianna de Siqueira. Tit. Jorges Velhos. A viúva Maria de Siqueira passou a 2.ªs núpcias com Antonio Rodrigues de Escudero f.º de Domingos Affonso de Escudero e de Maria Rodrigues. V. 5.º pág. 408. Teve 3 f.ºs:

2-1 João de Moraes d'Antas que casou em 1683 em Mogi das Cruzes com Anna Maria f.ª de Manoel de ? e de Izabel da Costa.

2-2 Marianna de Moraes que casou com Cyriaco de Escudero irmão de Antonio Rodrigues de Escudero do n.º 1-3 retro. V. 5.º pág. 412.

2-3) Isabel de Moraes, 9ªavó de Anibal, tinha 6 anos em 1668, e casou 1.º com Pedro de Fontes Garcia falecido em 1679, e 2.ª vez com Manoel Fernandes Preto; faleceu Isabel de Moraes em 1739 em Itu com 80 anos de idade e teve:

Do 1.º marido o f.º:

3-1) Manoel de Moraes, 8ºavô de Aníbal,casado com Josepha da Costa f.ª de Paulo da Costa Agostim e de Cecilia da Costa. Teve q. d.: FlorenciaRei de Castela

Informação de Marcos Camargo, de San Diego, Califórnia, por correspondência eletrônica para Anibal em Out/2013. Prova documental: Florencia Francisca das Neves filha de Manoel de Moraes de Antas.

Prova Documental da Filiação: Florência Francisca das Neves, 7ªavó de Anibal, é filha de Manoel de Moraes de Antas, 8ºavô de Anibal. Pg: 2 abaixo.

https://familysearch.org/pal:/MM9.3.1/TH-1-16047-15499-25?cc=2177299&wc=M971-MBC:1462860254

 # The Bee: Symbol of immortality and resurrection, the bee was chosen so as to link the new dynasty to the very origins of France. Golden bees (in fact, cicadas) were discovered in 1653 in Tournai in the tomb of Childeric I, founder in 457 of the Merovingian dynasty and father of Clovis. They were considered as the oldest emblem of the sovereigns of France.


Os textos desse site podem ser reproduzidos, desde que se informe o autor e o endereço do site.
 
Genealogia e Historia = Autor Anibal de Almeida Fernandes