Provas da filiação de Ana Elisa da Conceição, 3ªavó de Anibal, com os 1ºs Barões de Cajurú, 4ºs avós de Anibal.


  


1ª Prova: REGISTRO no Livro de Batismos dia 25/12/1855, pg. 21, da Paróquia de Sto. Antonio do Rio Bonito de Conservatória, RJ, no batismo de sua filha Ursulina, a 16/10/1855, onde Ursulina, a 4ª filha de seu 2º casamento, está registrada como neta materna do, ainda, Comendador João Gualberto de Carvalho, pois o Título de Barão de Cajurú, só foi recebido a 30/6/1860. (Ver abaixo).





2ª Prova: REGISTRO DO TESTAMENTO (1880) COM QUE FALECEU A EXCELENTÍSSIMA BARONESA DE CAJURÚ, COMO ABAIXO SE DECLARA:


Em nome da Santíssima Trindade, Padre, Filho, Espírito Santo, em quem eu Baronesa de Cajurú firmemente creio, em cuja fé protesto viver e morrer. Este é o meu testamento de última vontade. Declaro que fui casada com o Barão de Cajurú, já falecido, e de meu consórcio existem vivos nove filhos que são os seguintes:


1º) Maria Brazilina da Conceição, casada com Capitão Manoel Teodoro Pereira; 2º) Militão Honório de Carvalho, casado com Maria Cândida, filha do 1º Barão de Cabo Verde; 3º) ANA casada, (em 2ªs núpcias) com Joaquim Alves Gomes, 4º) Libânia Jesuína Carolina, casada com Antonio Belfort de Arantes, Barão de Arantes; 5º) Inácio Caetano de Carvalho casado com Ana Tereza Vargas; 6º) João Pedro de Carvalho casado com Maria Isabel Marques Ribeiro; 7º) Guilhermina, casada com Eduardo Pereira da Silva; 8º), Custódio Ribeiro de Carvalho casado com Maria da Glória Fonseca, 9º) José Ribeiro de Carvalho, casado com Luisa Leite Ribeiro



Cidade do Turvo, dois de setembro de mil oitocentos e oitenta. Baronesa de Cajurú. Livro 2º, fls. 42v/45 do Registro de Testamentos do Cartório do 1º Ofício da Comarca de Andrelândia, MG.


 Foto da 3ª avó de Anibal, Ana Elisa da Conceição 




  Este Livro e Testamento são provas definitivas da existência de Ana (Elisa da Conceição) 3ªavó de Anibal, que não aparece na relação de filhos dos 1ºs Barões de Cajurú, veiculada no site 


http://www.projetocompartilhar.org/Censos/indiceCensos.htm


http://www.projetocompartilhar.org/Familia/CarvalhoDuarte.htm


Registro do Censo de 1831: Arquivo Público Mineiro: MP caixa 13, doc. 16 > Censo de 5/12/1831, Juiz de Paz Antonio Francisco de Azevedo, do Curato do Turvo, Freguesia de Aiuruoca, Termo de Baependi: informa que: no 18º quarteirão de moradias cujo Oficial era Joaquim José da Fonseca, está registrado João Gualberto Carvalho (branco, 34 anos=1797): Ana (branca, 27 anos=1804) e 5 filhos: 1) Manoel (11 anos=*1820), 2) Maria (5 anos=*1826), Nicolau (3 anos=*1828), Ignácio (2 anos=*1829) e Martiniano (1 ano=*1830). Atenção: Nicolau e Martiniano não aparecem em nenhum outro registro, o que indica provável morte na infância, e é longo o espaço entre 1820 e 1826 sem nenhum filho. Nota: em outros registros este espaço é preenchido pela 3ª avó de Anibal, Ana Elisa da Conceição, bat. 1821 ou 24 e Militão 2º Barão de Cajurú, bat. 1828 ou 27 (herdeiro da fazenda das Bicas e futuro 2º Barão de Cajurú), que não aparecem no Censo do Turvo de 1831.



Há tambem incongruencias do Projeto Compartilhar sobre o 2º Barão de Cajurú















Militão, futuro 2º Barão de Cajurú com Decreto de concessão do título Registrado no Livro XII, Pag. 110, Seção Histórica do Arquivo Nacional.


A filiação do 1º Barão de Cajurú 4ºavô de Anibal, descrita no


http://www.projetocompartilhar.org/Familia/cap07CaetanodeCarvalhoDuarte.htm


registra esses 11 filhos: Manoel (*1820), Maria (*1826), Militão, Ignácio, Libania Jesuina, João Pedro, Guilhermina, Custódio, Anastácio, Constança e José, porém não informa os filhos Nicolau e Martiniano, registrados no Censo de 1831, e a filha Ana Elisa.


Erros sobre o 2º Barão de Cajurú nas informações do projeto compartilhar:



Militão, batizado aos 10-05-1828 na Capela do Turvo, foram seus padrinhos Antonio Belfort d’Arantes e sua mulher Maria de Paula. Militão Honório de Carvalho aos 18-09-1853 casou com Maria Custódia de Arantes, de 16 anos, filha de Antonio Belfort de Arantes e Maria Custódia.


Andrelandia-MG Igreja N Sra do Porto do Turvo - Aos dezoito de Setembro de mil oitocentos e cinqüenta, ás três horas da tarde nesta Igreja Matriz, o Rvdo. Antonio Ferreira de Arantes, assistio ao matrimonio, que contrahio Militão Honório de Carvalho e D. Maria Custódia de Arantes, aquelle branco, de idade 23 annos, filho legitimo do Tenente Coronel João Gualberto de Carvalho e de D. Anna Ignácia da Conceição; e esta branca, de idade dezeseis annos, filha legitima de Antonio Belfort de Arantes e de D. Maria Custódia. Test.: Conego Antonio dos Reis Silva Rezende e Ten. Jeronimo de Arantes Marques


Militão faleceu em 15-12-1891 aos 64 anos de idade.


Atenção: há 2 erros no registro do  Projeto Compartilhar: do ano do casamento do 2º Barão Cajurú: 1853 ou 1850??, alem disso a data de nascimento está errada, pois ele só teria 23 anos em 10/5/1851!!! tendo nascido a 10/5/1828 como informa o site Projeto Compartilhar , ou então, a data de nascimento correta é 10/5/1827, como está o cálculo da idade pelo registro da morte a 15/12/1891. Além disso, o Censo de 1831 informa o nascimento do filho  Nicolau em 1828!!





 

Os textos desse site podem ser reproduzidos, desde que se informe o autor e o endereço do site.
 
Genealogia e Historia = Autor Anibal de Almeida Fernandes